Musicoterapia

A partir de 1990, houve um desenvolvimento da pesquisa nas ciências biomédicas da música. Este fato permitiu uma nova compreensão das bases biológicas da música, conduzindo uma evidência científica para a efetivação de intervenções biomédicas dentro da terapia de reabilitação em medicina.

Um esforço analítico compreensivo realizado pelos pesquisadores e clínicos em musicoterapia levou a denominação do termo ‘musicoterapia neurológica’. Essa codificação – que se inicia no final da década de noventa – resultou no desenvolvimento sem precedentes de técnicas clínicas que foram padronizadas em aplicações e terminologias, baseadas em evidência através de pesquisa científica.

A Musicoterapia Neurológica é uma especialidade da Musicoterapia que vem crescendo em todo o mundo, com formação específica nos Estados Unidos, Inglaterra, Espanha, Argentina,entre outros países. Tem como objetivo a reabilitação de pacientes com sequelas neurológicas,através de técnicas específicas de musicoterapia.

Cinco definições básicas articulam os princípios mais importantes da musicoterapia neurológica:

• Musicoterapia neurológica é definida como aplicação terapêutica da música em terapia cognitiva, sensorial e motora em doenças neurológicas do sistema nervoso ou não.

• Musicoterapia neurológica é baseada na ciência biomédica.

• Técnicas de tratamentos são baseadas em evidências: dados, pesquisa científica e clínica e são direcionadas para objetivos terapêuticos não musicais funcionais.

• Técnicas de tratamentos são padronizadas e são aplicadas na terapia.

• Além do treinamento em música e musicoterapia neurológica, é necessário conhecimento nas áreas de neuroanatomia fisiológica, patologia cerebral, terminologia médica e reabilitação das funções de linguagem cognitiva, motora e discurso.

Em 2009, um grupo de musicoterapeutas brasileiros se reuniu para fundar a Sociedade Brasileira de Musicoterapia Neurológica, a SMN, com o objetivo de desenvolver conhecimento e pesquisas no Brasil.